quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Homem

Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão.
Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.

MANUEL BANDEIRA. O bicho. p. 90. In: Meus poemas preferidos. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.

Um comentário:

anoca disse...

bom isso hein?!

saudades acumuladas de vc.